CALENDÁRIO DE ORAÇÕES

Dia da Semana

Tipo da Oração

Onde na Bíblia?

Segunda

Sabedoria

Salmo 23:3

Terça

Trabalho

Empresa

Provérbios 22:29

Josué 1:8

Quarta

Família

Deuteronômio 5:16-17-18-19-20-21

Quinta

Inimigos

Miqueias 7:18

Sexta

Repreende o mal

Deuteronômio 31:8

Sábado

Como descobrir a vontade de Deus

Salmo 15:1-2-3-4-5

Domingo

Agradecer por tudo na semana

Gênesis 15:1

 

SEGUNDA: 1 SEMANA> PEQUENOS LUGARES

As escrituras advertem contra a destruição que vem de lugares pequenos e negligenciados. Podemos pensar que a ruina surja apenas dos pecados que atraem maior atenção como o adultério, assassinato e injustiça. No entanto, para muitos, as tentações que destoem surgirão de lugares mais sutis. Como diz Tiago "Sempre cometemos erros” (3:2). Ele também afirma que um pequeno freio na boca dos cavalos fará que eles ".... vão aonde queremos"; e gigantescos navios são dirigidos por ".... um pequeno leme” (vv.3-4). Sua verdadeira preocupação era a língua, (pequeno pedaço de carne na maior parte do tempo invisível) com capacidade de fazer muito bem ou mal. A língua pode ser usada "... tanto para agradecer ao Senhor e Pai como para amaldiçoar as pessoas, que foram criadas parecidas com Deus” (v9).

 

 

 

 

 

TERÇA: 1 SEMANA> ARREPIOS

Gideão estava com medo de se envolver com a libertação do seu povo de uma nação inimiga. Infelizmente, sua fobia dos midianitas o fez voltar à atenção a tudo, exceto àquele que podia ajudá-lo. Gideão estava malhando secretamente o trigo, no fundo de um lugar quando o anjo do Senhor apareceu lá e declarou:  "... o Senhor está com você” (Juízes 6:12). Nosso nervoso herói recusou-se a se concentrar na presença de Deus, insistindo em que Deus havia abandonado Israel. Que pena! Refletir sobra à proximidade de Deus pode aliviar nossa ansiedade. O anjo tentou novamente, dizendo, "... Vá com toda força e livre o povo de Israel “(v.14)”. O terror de Gideão o fez ficar obcecado com a família é a mais pobre [...] eu sou a pessoa menos importante da minha família (v.15), ele choramingou. O anjo persistiu então Gideão exigiu provas de que suas ordens eram realmente de Deus. Nessa altura o anjo revelou o poder sobrenatural de Deus, e Gideão exclamou: “... Ai de mim [...]! Eu vi o Anjo do Senhor face a face! (v.22). Então ele contraiu um saudável caso de arrepios santos, largando suas circunstâncias assustadoras e reajustando novamente o foco do seu temor naquele que é digno de nosso “temor” reverente (Salmo 2:11). A chave para superar o temor exige que treinemos a nossa reverência a Deus. Qualquer que seja o motivo que faça fugir covardemente; pessoas más, a água, ou pior – lembre-se o “O temor do Senhor é o tesouro mais precioso” (Isaias 33:6).

 

 

 

 

 

QUARTA: 1 SEMANA> MÚSICA SOUL

Davi começou seu canto emocional com “Ó Senhor Deus, que todo o meu ser te Louve!” (v.1). A frase era uma expressão de íntimo relacionamento entre Davi e Jeová, o Deus das alianças e promessas de Israel. A sua música soul era uma expressão íntima de amor e gratidão ao Deus que amou primeiro. E era intensa. Ele adorava o Senhor com íntimo do seu ser, o que para ele era uma experiência física, emocional e espiritual. Na adoração e no louvor do seu Deus, o salmista se entregava completamente. A música era intencional. Seu poder e paixão estavam em lembrar as benções de Deus. Quando Davi pensava na provisão de Deus. Não deixava de cantar e lhe dar louvores. A música era intencional. Seu poder e paixão estavam em lembrar as bênçãos de Deus. Quando Davi pensava na provisão de Deus não deixava de cantar e lhe dar louvores.

 

 

 

 

 

QUINTA: 1 SEMANA> INVESTIMENTO SÓLIDO

Jeremias não aplicava e, ações, mas certa vez ele dispôs de um pedaço de terra no pior momento possível. Os exércitos da Babilônia cercavam Jerusalém e pronto capturariam e queimariam a cidade. Porém, mesmo o futuro imediato sendo sombrio Deus mandou Jeremias comprar o campo como sinal de que “... neste país ainda serão compradas casas, terras e plantações de uvas” (32:15). Em curto prazo, Judá sofreria desafios no caminho, mas o fim estava garantido. Deus prometera a Jeremias que traria Seu povo de volta a essa cidade outrora altaneira, e que iriam “... viver aqui em segurança (32:37) como filhos de Deus. Crendo nas palavras divinas”... “Com todo o meu coração e com toda a minha alma deixarei que fiquem morando nessa terra” (v.41), Jeremias pagou 200 gramas de prata pelo campo (v.9), Ao fazê-lo, mostrou sua confiança nas promessas de Deus.

 

SEXTA: 1 SEMANA> TENHA COMPAIXÃO

 O clamor do Salmista Davi, que suplicou: “O Senhor Deus, tem compaixão de mim, pois estou aflito!” Os meus olhos estão cansados de tanto chorar; estou esgotado de corpo e alma. A tristeza acabou com minhas forças; as lágrimas encurtam a minha vida “(Salmo 31:9-10)”.

 

 

 

 

 

SÁBADO: 1 SEMANA> BELEZA DE DEUS

Embora ninguém tenha visto o Deus invisível em sua plenitude (Êxodo 33:20;1) Timóteo (1:17); Deus escolheu ser conhecido. De maneira intrigante, todas as vezes que se revelou, Ele o fez usando formas bonitas:

  1. Moisés e seus lideres tribais sobem a montanha. Ali eles veem um Ser em pé em um pavimento de lápis-laszúli (safira), clara como cristal, tão azul como o céu (Êxodo 24:9-11).
  2. Ezequiel tem uma visão. Ele vê um trono semelhante a lápis-azul no qual um Ser majestoso está sentado como um homem, Seu corpo brilhante como chama, Sua luz radiante emanada em miríade de cores pelo céu (Ezequiel 1:26-28).
  3. João recebe uma revelação. Ele vê um Ser com a aparência das mais brilhantes gemas – o branco cristalino e alaranjado do jaspe, o vermelho de fogo do sardônio e raios de verde esmeralda rodeando o Seu trono com arco-íris (Apocalipse 41:6).
  4. No centro do nosso universo assenta-se um belo Criador. Aterra está cheia da sua gloria (Isaias 6:3) e o céu vai ser um lugar onde Sua beleza brilhará com toda intensidade (Apocalipse 21:9-2).

Um dia nós veremos o Deus invisível face a face (22:4).  Nesse meio tempo, sua imagem refletida pode ser delineada na beleza natural ao nosso redor.

 

 

 

 

 

DOMINGO: 1 SEMANA> BARREIRA DE LÍNGUA

Não deveríamos dizer uma coisa e ser outra. Falamos a Sua Língua? Ou queremos continuar falando a língua deste mundo enquanto ainda esperamos entender as coisas de Deus? Nossa linguagem revelará de onde somos. Demonstrando o poder das palavras, Deus, através delas, trouxe o mundo á existência. Deus falou e o mundo começou a existir. Ele trata nossas palavras seriamente porque sabe que:

- A Palavra de Deus é a nossa arma de guerra. Há grande poder em Suas palavras (1 Samuel 2:1; Salmo 149:6).

- Nossas palavras revelam o que está em nossos corações. O que dizemos reflete quem somos por dentro (Deuteronômio 30:14).

O amor de Deus por nós requer que nosso falar seja consistente com o que professamos crer. O que dizemos não é uma questão sem importância (Mateus 12:36).

 

 

 

 

 

SEGUNDA: 2 SEMANA> CEDO OU TARDE

Tenha você vindo a Cristo cedo ou tarde, essa história é linda. Jesus disse que, antes da salvação, seu coração estava cheio de [iniquidade]... De dentro “(Marcos 7:21-23). Você estava literalmente “impuro” por dentro (v.23). Sua natureza pecaminosa estava presente ao nascer, não se instalou em você durante a jornada da vida (vv. 15,18-20). Como o apóstolo Paulo escreveu você entrou na terra “morta” em seus pecados (Efésios 2:5). E nós estávamos debaixo do poder do pecado (Romanos 3:9). No Salmo 53, o escrito afirma: “... Não há mais ninguém que faça o que é direito... ”(v.3).

Nada havia em nos que pudesse nos salvar. Deus, porém, nos buscou em misericórdia, e “... quando estávamos espiritualmente mortos por causa da nossa desobediência, ele nos trouxe para a vida que temos em união com Cristo (Efésios 2:5).

Portanto, se você pensa que sua experiência de salvação não tem poder, está enganado, pois a manchete seria assim: PESSOA MORTA VOLTA Á VIDA! Ora, essa é uma história impressionante que todos precisamos escutar.

 

 

 

 

 

TERÇA: 2 SEMANA> QUEM SOU EU?

Moisés fugiu para o deserto por matado um homem que perseguia um hebreu como ele. Deve ter gostado de sua vida tranquila no Sinai, porque não quis deixá-la quando Deus apareceu com ordem para marchar (veja Êxodo 3:1-10). Ele inclusive teve longa discursão com Deus. Moisés entrou no jogo de “não sou carta boa “perguntada a Deus:“ Quem sou eu? ”(Êxodo 3:11). Deus não lhe respondeu essa pergunta. Nem prometeu livrar Moisés de tempos difíceis. Ele simplesmente disse, “Eu estarei com você” (v.12). E então disse a Moisés quem Ele era: “EU SOU QUEM SOU” (v. 14). É saudável termos o senso de nossa inadequação. Se, porém, usarmos isso como desculpa para evitar que Deus nos use, nós o insultamos. O que estamos dizendo. Na verdade, é que Deus não é bom o suficiente. A pergunta não deveria ser Quem sou eu? E sim, Quem é Deus?

 

 

 

 

 

QUARTA: 2 SEMANA> O PULSAR DO CORAÇÃO

Se pudéssemos escutar as batidas do coração de Deus, o que ouviríamos? Ho-mem, Ho-mem, Ho-mem... Essa realidade maravilhosa anjos e mortais. O salmista pergunta, “... que é um simples ser humano para que te preocupe com eles? (Salmo 8:4). E anjos observaram em santa admiração o desenrolar do plano da redenção para humanidade (1 Pedro 1:12).O amor de Deus pelas pessoas é surpreendente – especialmente se considerarmos que ajudar as pessoas a muitas vezes difícil cansativo, e cheio de inquietações. As pessoas são instáveis – boas uma hora, más outra. Olhe para o rei Davi, para o apóstolo Pedro, para mim. Somos consistentemente inconsistentes! No entanto, na Palavra de Deus encontramos histórias semelhantes ás de Lucas 15:11: 31. Veja o padrão.

- O homem desobedece a Deus – O filho mais novo desobedece ao pai. O filho mais velho aparentava obedecer ao seu pai, mas por dentro, estava descontente com ele (vv13, 29-30).

- Deus inicia a reconciliação – O pai saiu para encontrar os dois filhos (vv20, 28). Seu coração estava “com muita pena”(v.20). E ele se humilhou e insistiu (v.28) com o seu filho mais velho para se alegrar com ele na reunião familiar.

- Duas reações – O filho mais novo se arrependeu, enquanto o mais velho recusou-se a se alegrar com sua família a despeito dos pedidos de seu pai.

O amor de Deus pelas pessoas deveria ser um exemplo nítido para nós. Ao compreendermos o pulsar de Seu coração, somos impulsionados a amar as outras pessoas. O apóstolo Paulo captou o coração de Deus e o ministério que Ele nos deu ao escrever: “Portanto, estamos aqui falando em nome de Cristo, como se o próprio Deus estivesse pedido por meio de nós. [...] deixem que Deus os transforme de inimigos em amigos dele” (2 Coríntios 5:20).

Pah Fang Chia.

 

 

 

 

 

QUINTA: 2 SEMANA> OPORTUNIDADE PARA ALEGRIA

Então quando perdemos alguém que morre, a Bíblia nos diz para pararmos de sofrer simplesmente ficarmos felizes? Graças a Deus, não. Nossa reação natural quando alguém morrer é ficar tristes. Jesus mesmo chorou a perda de Seu querido amigo Lázaro (João 11:35). Mas, para aqueles que conhecem Jesus, a tristeza não é o fim da história. Poucas horas antes de ser torturado e morto na cruz, Jesus informou Seus seguidores: “... vocês vão chorar e ficar tristes, mas as pessoas do mundo ficarão alegres. Vocês ficarão tristes, mas essa tristeza virará alegria” (João 16:20). Opa – tristeza que se transforma em alegria. Aí está novamente. Mas como isso é possível? Jesus continua dizendo “... agora estão tristes, mas eu os verei novamente. Aí vocês ficarão cheios de alegria, e ninguém poderá tirar essa alegria de vocês” (João 16:22). Como cristãos, podemos olhar para a morte de modo diferente. Isso não remove, hoje, o tormento de nossa perda, mas a esperança de um grande encontro com aqueles que se foram antes de nós traz um verdadeiro sentimento de alegria que nos sustenta em toda nossa dor.

Jeff Olson.

 

 

 

 

 

SEXTA: 2 SEMANA: DISCÓRDIA NA FAMILIA

Um estudo feito em 2009 comprovou que homens e mulheres pecam de maneira diferente. Constatou-se que o principal pecado dos homens é a luxúria, seguido de gula, preguiça, ira, orgulho, inveja e avareza. Das mulheres, a lista de pecados por ordem frequência é orgulho, inveja, ira, luxúria, gula, avareza e preguiça. Esses sete pecados foram formulados por Gregório, o Grande, nos, anos 600 d.C. Porém, é errado dizer que há somente sete pecados mortais, pois todos eles são mortais (Romanos 6:23; Tiago 1:15). O rei Salamão listou sete pecados detestáveis para Deus (Provérbios 6:17-19): Olhos altivos; língua mentirosa e mãos que derramam sangue inocente, coração que maquina pensamentos viciosos, pés que se apressam para correr para o mal, testemunha falsa, que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos. Contrário ao entendimento popular, ele não afirma que existem somente sete pecados específicos que Deus detesta, pois todos lhe são detestáveis! Na bíblia, o padrão numérico “seis [...] sete” (Jó 5:19); Provérbios 30:15-16,18-19,21-31) não fornece uma lista completa. Em vez disso, esses padrões expõem todos os itens por igual, apontados para o item final – “a pessoa que provoca brigas entre amigos” (6:19) – como a ponte culminante dos itens anteriores. Em Provérbios 6, a passagem está agrupada em mentirosos que “espalham confusão por toda parte” e os que “provocam(m) brigas entre amigos” (vv.12, 14,19) e descreve as atitudes e ações daqueles que causa divisões. A pessoa que causa divisões é má (v.12), enganosas (vv.12, 13, 17,19). Tal pessoa não tem valor para a comunidade e será severamente punida (vv.12,15), pois atrai sobre si à ira de Deus (v.16). Um encrenqueiro pode destruir a unidade da igreja. Somos lembrados “Mande embora a pessoa orgulhosa e acabarão os desentendimentos, as discursões e os ligamentos” (Provérbios 22; 10).

 

 

 

 

SÁBADO: 2 SEMANA> VERDADEIRO ARREPENDIMENTO

Os profetas são personagens bíblicos que parecem sempre estar no centro da briga, censurado o povo de Deus severamente por seus pecados, citando nomes – fazendo quase todos se sentirem desconfortáveis. Todos gostavam do profeta, conquanto ele ou ela anunciassem bênção e bons dias pela frente. O verdadeiro profeta, entretanto, era o porta-voz de Deus – e Deus está sempre ocupado em descobrir lugares escondidos de rebelião, desonestidade e idolatria. Certa ocasião Deus fez Miqueias anunciar ao povo de Israel que, devido á sua teimosa recusa em obedecer, seria “... arado como um campo” (Miqueias 3:12) Terríveis palavras. Como reagimos quando Deus aponta nossos caminhos voluntariosos? Esquivamo-nos, nos contorcemos e damos explicações por termos agido tão mal? Escondemo-nos ou nos livramos de nossa responsabilidade, recusando-nos a confessar francamente o nosso pecado? O rei Ezequias e Israel escolheu o caminho mais difícil, aquele que leva á humildade e ao arrependimento. “Ezequias temeu o Senhor e procurou ganhar o seu favor” (Jeremias 26:19). Sem barganhas, sem disputa. Só um direto: “Eu estava errado, sinto muito.” A antiga confissão da igreja exprime acertadamente: “Deus misericordioso, confessamos que pecamos contra ti [...] Realmente sentimos muito e humildemente nos arrependemos.”

 

 

 

 

 

DOMINGO: 2 SEMANA> PERMANECER SENTADOS

A esperar ás vezes nos leva a tomar atitudes impulsivas – especialmente em questões de namoro e casamento. O perigo está em abaixarmos nossos padrões em vez de “permanecer sentados” e esperar pelo melhor que Deus tem para nós.

A advertência de Paulo pode evitar muito sofrimento se a aplicarmos ao namoro. Ele disse, “Não se juntem com descrentes para trabalhar com eles” (2 Coríntios 6:14).

Se você for como eu, talvez conheça pessoas muito boas que pensam que Jesus é só mais um dos caminhos para o céu. Deus nos chama, no entanto, dizendo “... Saiam do meio dos pagãos e separem-se deles” (v.17). Portanto, considerar o casamento com alguém que não conhece Jesus é sinal de que devemos definitivamente permanecer sentados.

Quando se trata de namoro, precisamos evitar os que se chamam de cristãos e agem como pessoas sem nenhuma consciência espiritual. Paulo nos advertiu para não nos envolvermos com “... ninguém que se diz irmão na fé, mas é imoral, ou avarento, ou adora ídolos, ou é bêbado, ou difamador, ou ladrão” (1 Coríntios 5:11). Por mais difícil que possa ser, precisamos evitar o envolvimento romântico com pessoas que não estão no caminho de Cristo.

Embora ninguém goste de esperar, vale a pena honrar os padrões de Deus para o casamento. Fazendo isso, você poderá saltar de seu assento e correr para altar, se Deus o estiver conduzindo para lá.

 

 

 

 

 

SEGUNDA: 3 SEMANA> ELE AINDA CURA

O livro de Tiago 5:14-16 é claro em seu ensinamento sobre a oração e a unção dos doentes. Tiago forneceu alguns princípios valiosos para orientar os pensamentos, o debate e a prática cristã de orar pelos doentes.

- Eles podiam e deviam orar por cura. Tiago encorajou aqueles que estivessem doentes a buscar oração e unção. As pessoas deveriam orar com confiança por uma cura completa até que se tornasse óbvia que Deus estava agindo conforme a Sua vontade.

- Os presbíteros, de maneira limitada, receberam autoridade para ser agentes de Jesus. Isso não que dizer que os presbíteros na igreja sejam excepcionalmente justos ou tenham poderes especiais de cura. Significa que têm o privilégio e a responsabilidade de orar pelos doentes em nome de Jesus.

- O óleo não tinha nenhum poder especial. Era apenas um sinal para auxiliar a fé ou símbolo da presença do Espirito Santo – aquele que proporciona cura, conforto e confiança.

- A soberania de Deus. Tiago queria que os seus ouvintes entendessem que Deus não é obrigado a curar ninguém.

- Deus ainda cura sobrenaturalmente (e através de meios naturais – usando os médicos e a medicina). É nossa responsabilidade sermos obedientes ás Escrituras e orarmos por cura com fé e humildade.

 

 

 

 

 

TERÇA: 3 SEMANA> UMA TRAGÉDIA EVITÁVEL

Marvin Schur congelou até a morte em sua própria casa. O homem de 93 anos devia muito dinheiro á companhia de eletricidade. Por falta de pagamentos, a companhia restringiu o seu uso de eletricidade, e quatro dias após isso, o seu corpo foi encontrado congelado. Duas semanas mais tarde, um procurador leu o testamento de Marvin, informando que ele deixara seiscentas vezes mais o valor de sua divida para o centro médico local. A morte de Marvin foi duplamente trágica. É horrível um senhor de idade congelar até a morte porque a companhia de energia elétrica cortou seu aquecimento. Dói mais ainda saber que ele poderia facilmente ter quitado a conta. Assim como ele, muitas pessoas sofrem desnecessariamente pela falta de poder espiritual. A vida, a morte e a ressureição de Jesus forneceram tudo o que é preciso “... para viver uma vida que agrada a ele”, no entanto nunca usam sua fé para ter acesso a tal recurso. Alguns gemem sob ondas de culpa, incapazes de aceitar o perdão divino e prosseguir com as suas vidas. Outros se chafurdam em abusos e sofrimentos, e se identificam com o status de vitima, que se recusam a estender o perdão de Deus aqueles que os feriram. Como o servo miserável na parábola de Jesus, nenhuma das partes tem consciência de que foi perdoado “... milhões de moedas de prata”, e se agitam em autocomiseração agredindo qualquer um que lhes deva “... cem moedas de prata” (Mateus 18:23-35). Uma vida desprovida de graças como essa é uma fuga da realidade (2Pedro 1:9). A verdade é que Jesus veio ao nosso mundo e tornou Sua graça disponível a todos que queiram aceitar.

Paremos de fingir e voltaremos ao mundo real. Há graças suficiente no banco. Suficiente para pagar as suas dividas e as dividas das pessoas que pecaram contra você.

 

 

 

 

 

QUARTA: 3 SEMANA> SOU ACEITÁVEL, NÃO SOU?

Fico pensando quantas vezes por dia as pessoas não perguntam Sou Aceitável sou não Sou? As pessoas buscam desesperadamente aceitação das pessoas estranhas que vão achando pelo seu caminho. Estou bem? Sou aceitável? Inspiro amor? Todos nós fazemos perguntas como estas. O evangelho diz a todos os que aceitam a Jesus, que aceitam o Seu sacrifício por seus pecados, que Ele lhes dará o direito de se tornarem filhos de Deus (João 1:12-13). “Vejam como é grande o amor do Pai por nós”, o apostolo João exclama, “... somos chamados de filhos de Deus” (1 João 3:1).

Você tem a mais completa identidade em Jesus. Deus o pai o adotou (Efésios 1:5), deu-lhe Seu Espirito e o tornou um herdeiro de Sua herança muito aos olhos do mundo, porém Deus olha para você e diz “Meu filho”. “Sou aceitável, não sou?” Perguntamos apreensivos. “Em mim, sim, você é”, o Pai responde. E ele não está mentido.

 

 

 

 

 

QUINTA: 3 SEMANA> AVISTA

O olho de Londres, que completou sua rotação inicial em março de 2000, proporciona aos visitantes uma extensa visão da capital da Inglaterra. Talvez por se parecer muito com uma enorme roda gigante, o Olho é assunto de resenha conflitante. A moderna construção contrasta com arquitetura histórica que a cerca. Lembre-se da grandeza e clareza da visão que Deus tem dos eventos deste mundo, comparado ás nossas finitas perspectivas. Porque em nossa natureza caída tendemos a nos preocupar somente com nos mesmos, facilmente nos absorvemos inteiramente no que vemos com nossos olhos. Em meio ao seu sofrimento, Jó ansiava por um contexto no qual pudesse colocar a profunda dor que experimentava. Confuso com o aparente silêncio de Deus, ele exclamou, “Ó Deus, eu clamo pedindo a tua ajuda, e não me respondes; eu oro a ti, e não te importas comigo” (Jó 30:20). A pergunta ecoa através dos séculos: Deus vê? As escrituras respondem claramente. Ele não só vê além do que conseguimos compreender, mas nada acontece em nossas vidas sem o Seu olhar atento (Jó 34:21; Salmo 34:15). A resposta de Deus para Jó não foi mostrar os porquês de seu sofrimento. Em vez disso, Ele chamou atenção á grandeza de Sua soberania. Embora Deus fosse mais do que capaz de deixar Jó permanecer nas cinzas, em vergonha e dor, Seu proposito era maior do que fazê-lo sentir sua pequenez. Se Deus é tão poderoso para conter os limites do oceano (38:8-11), então Ele tem a força necessária para nos sustentar em tudo – inclusive nas dores que convulsionamos o nosso viver.

Somos a menina de Seus olhos (Deuteronômio 32:10 NVI; Zacarias 2:8). Sua perspectiva, entretanto, abrange respostas além da nossa compreensão. A paz vem em saber que Ele vê perfeitamente e antevê nossas necessidades (2 Coríntios 9:8-11)

 

 

 

 

SEXTA: 3 SEMANA> PONTO DE DEUS

Recentemente, os cientistas anunciaram a identificação de pelo menos três “pontos de Deus” no cérebro humano. Eles creem que os mesmos segmentos em nossos lóbulos que nos permitem interpretar os estados de ânimo e as intenções das pessoas, nos ajudam a lidar com nossa “religiosidade”. Isso nos faz pensar que os cientistas estão mais uma vez tentando minimizar a vida espiritual, como se esta fosse um fenômeno biológico (o cientista ateu Richard Dawkins crê que a religião é um vírus, passado de cérebro para cérebro).

O apóstolo Paulo não entendia nada sobre “pontos de Deus”, mas sabia como reconhecer Deus trabalhando! No livro de Gálatas 1, reconheceu sua antiga vida de implacável perseguidor dos cristãos (v.13). Porém, algo incrível aconteceu. Através da intervenção divina, Paulo foi transformado de dentro para fora, ao receber Jesus como seu Salvador (vv.15-10).

A profunda mudança espiritual que Paulo experimentou foi obra do Espirito Santo (João 3:5). Paulo revelou mais tarde a origem de seus ensinos e escritos sobre Jesus, quando afirmou: “... Deus, por meio do Espirito, revelou o seu segredo. O Espirito Santos examina tudo, até mesmo os planos mais profundos e escondidos de Deus” (1 Coríntios 2:10). Em outro relato ele observou que os planos de Deus eram revelados a ele “por meio do seu Espirito” (Efésios 3:5).

“Pontos no cérebro” não podem explicar a extraordinária mudança que Deus fez em mim e vai fazer também em você só basta acreditar. Somente a obra do Espirito Santos pode explicar isso. (João 14:16; 16:8)

Mesmo que muitos cientistas continuem a usar a pesquisa para reunir explicações naturais para nossa crença em Deus, a realidade da obra sobrenatural do Espirito Santo em nossas vidas é prova de Sua existência. Quando “avistar” o Espirito trabalhando em você e em outras pessoas, anima-se.

 

 

SÁBADO - 3 SEMANA> ORGULHOSO DEMAIS PARA RECEBER

Em sua igreja, Shaina frequentava o culto dos jovens adultos. Durante os últimos anos, o grupo procurou se comunicar com a comunidade de maneiras inovadoras. Quando cerca de 30 pessoas na igreja perderam seus empregos, ela e seus amigos recolheram donativos de alimentos entre as pessoas e estabelecimentos comerciais.

Espantaram-se com a generosidade. Muito rápido encheram um cômodo com mantimentos e marcaram hora para os desempregados “comprarem” de graça. No entanto, muitos não quiseram vir, embora tivéssemos necessidades financeiras.

“Sentimo-nos mal”, disse Shaina. “Fizemos algo para ajudar as pessoas que realmente precisavam, e nosso sentimento era ótimo, mas alguns tiraram algo especial, por serem orgulhosos demais para aceitar ajuda”.

Quando Paulo, o apóstolo, foi a Jerusalém pela última vez, parou para encorajar os cristãos em Éfeso. Mencionou que nunca cobiçara a fortuna de outra pessoa e que sempre havia trabalhado muito. Porém, ao citar Jesus dizendo, “É mais feliz quem dá do que quem recebe” (Atos 20:35), sua declaração subentendia que realmente é bom receber. Se ninguém recebe, ninguém tem a benção de dar. Deus usa os nossos tempos de necessidade para nos tornar humildes – e para permitir que os outros gozem da benção de dar.

Estamos todos necessitados de livramento espiritual. Sem Jesus, somos incapazes de nos salvar. Em carta aos Efésios, Paulo escreveu, “... quando estávamos espiritualmente mortos por causa da nossa desobediência, ele nos trouxe para a vida que temos em união com Cristo.” (2:5). “... pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé [em seu filho]...” (v.8).

No entanto a maioria das pessoas é orgulhosa demais para receber o dom mais generoso de todos os tempos. Imagine como Jesus deve ser sentir com isso. 

 

 

 

 

 

 

DOMINGO: 3 SEMANA> ORAÇÃO PERSISTENTE

Uma pessoa anônima escreveu: “Ajoelhei-me para orar, mas por pouco tempo, pois tinha tanto o que fazer. Então ao ajoelhar-me, fiz uma oração apressada e levantei-me. Meu dever cristão estava feito; minha alma podia ficar em paz”.

Vamos contrastar essa concepção de oração com as ações da viúva persistente, no livro de Lucas 18. São dramaticamente diferentes. A viúva não parava para fazer uma visita ao juiz apenas uma vez ou outra. Ela vinha até ele repetidamente (v, 3). Sua alma não teria descanso até que seu caso fosse ouvido. Por quê? Porque ela não estava pedindo por algum favor especial, estava simplesmente buscando justiça.

Naqueles dias, era prática comum subornar um atendente para que sua disputa na corte fosse ouvida pelo juiz. A viúva era provavelmente muito pobre para isso. E mais, o juiz para quem ela estava fazendo a petição não temia a Deus, nem se importava com as pessoas (v.4). Então ela tinha todos os motivos para desanimar. Devido á sua persistência, porem, recebeu justiça (v.5).

Ora, antes de começarmos a pensar que Deus precisa ser importunado, convencido e subornado para que nossas orações sejam respondidas, importante, é compreender que esta parábola contrasta um juiz injusto com o Juiz que é verdadeiramente justo. Deus está ansioso para responder as orações de seus filhos. Na verdade, Ele ““... julgará a favor do seu povo e fará isso bem depressa! “(v.8; Mateus 7:11)”.

Frequentemente perdemos o ânimo quando oramos, por não compreendermos o tempo ou o proposito de Deus. Há, porém, um caminho melhor. Um escritor expressa bem isso: “Oração persistente é a demonstração de fé em Deus que, embora ás vezes atrase em Suas respostas, agirá sempre com firmeza e justiça em respeito ao Seu povo”. Continue orando! 

 

 

 

 

 

 

SEGUNDA: 4 Semana> A CINDERELLA MAN

Na década de 1930, época em que os Estados Unidos entraram na Grande Depressão, o pugilista James Braddock sofreu um acidente com sua mão direita que o forçou a sair do boxe profissional. Estava difícil de ganhar dinheiro, e Braddcok, exerceu trabalhos humildes para poder pagar suas despesas. Por fim, graças à desistência de um pugilista na última hora, Braddock teve uma nova oportunidade de lutar com o 2° com o segundo competidor do mundo. Ninguém acreditava que ele teria qualquer chance, mas Braddock chocou o mundo do boxe com uma vitória por nocaute no terceiro assalto.

A assombrosa vitória do Braddock ressuscitou sua carreira. Apelidado de Cinderella Man, Braddock conseguiu realizar uma das maiores viradas da história do pugilismo ao derrotar Max Baer pelo titulo mundial de pesos pesados.

O Antigo Testamento conta a história de outro Cinderella Man. Após ter informado Saul de que Deus o tinha rejeitado como rei de Israel, Deus enviou Samuel para Belém para ungir um dos filhos de Jessé como próximo governante (1 Samuel 16:1). Quando Samuel avisou o filho mais velho de Jessé, pensou que esse fosse sem dúvidas o escolhido (1 Samuel16: 6). Deus, porém, disse a Samuel, “Não se impressione com a aparência nem com a altura deste homem. Eu o rejeitei porque não julgo como as pessoas julgam. Elas olham para aparência, mas eu vejo o coração” (1 Samuel 16:7).

Por fim, Deus guiou Samuel até o filho mais moço de Jessé, que havia sido relegado á tarefa de cuidar das ovelhas. Exteriormente não tinha aparência de rei, mas Deus viu algo se desenvolvendo no interior do coração desse jovem pastor que ninguém havia visto.

Ás vezes, você se sente como se estivesse na posição do homem Cinderella? Anima-se e esteja pronto para aprender. Deus pode estar lhe dando tarefas menores como área de treinamento em sua preparação para uma posição muito maior.

 

 

 

 

 

TERÇA: 4 Semana> ÁRVORE GENEALÓGICA

A árvore genealógica do nosso Senhor Jesus foi preservada pelo Espirito Santo, traçando Sua ascendência até Abraão (Mateus 1: 1-7) e a Adão (Lucas 3: 23-38). No livro de Mateus 1, Deus inclui cinco nomes que deveriam dos surpreender muito, pois estes eram nomes de mulheres, e geralmente elas não são incluídas nas genealogias judaicas:

Tamar foi uma canaanita que enganou seu sogro para que dormisse com ela, assim deu seguimento á linhagem de Judá com o nascimento dos gêmeos Peres e Zera (Gênesis 38:6-300). Peres, com um nascimento incomum (Gênesis 38:27-20), tornou-se um ancestral do senhor (Mateus 1:3).

Raabe era uma prostituta canaanita (Josué 2; 6:17) que se tornou mãe de Boaz, o tataravô do rei Davi (Mateus 1:5; Rute 4:21-22).

Rute era uma moabita amaldiçoada (4:5; Deuteronômio 23:3-4) e uma viúva pobre desamparada (Rute 2:2) que arriscou sua reputação para propor casamento a Boaz no lugar onde se batem os grãos, durante as festividades da colheita (Rute 3). Ela se tornou a tataravó de Davi (Mateus 1:5-6). (Bate Seba era uma hitita (2 Samuel 11:3) que através de uma rede de adultério, traição, enganos e assassinato (2 Samuel) 11-12) gerou o filho de Davi, Salomão (Mateus 1:6).

Maria era uma virgem judia que suportou o escândalo de uma gravidez inexplicável por toda a sua vida. Ela se tornou mãe de Jesus (Mateus 1:18-25).

Estas mulheres foram redimidas e honradas como ancestrais do Messias. Jesus veio a ser o salvador de judeus e gentios perdidos no pecado. 

 

 

 

 

 

QUARTA: 4 Semana> AQUELA CURA

“Abre meus olhos, Senhor, para que eu veja. Abre meus ouvidos, Senhor, para que eu ouça. Abre meu coração e minha mente para que eu compreenda. E assim me voltarei ao Senhor e serei curado”.

Oração tradicional

Sempre em datas especiais fazemos um monte de promessa como: deixar de comer chocolate, ficar magro, parar de bebe, etc... A escolha foi difícil – não é assim como se pudéssemos nos livrar do medo que está no armário. Descobri que meu temor é uma maneira (dentre outras) de ficar obcecado comigo mesmo, perdendo-me em meu mundo interior, decifrando todos os meus sentimentos válidos (ou inválidos). Minha introspecção me impede de olhar para Jesus, o único que é capaz de curar minha aflição.

Durante os anos de peregrinação de Israel, o povo reclamava de Deus, crendo que eles iriam “morrer” [...] no deserto (Números 21:5). Como de costume, tentavam tomar a situação em suas próprias mãos, estabelecer uma aliança proibida ou construir um deus falso e armar planos para retornar ao Egito.

Mas Deus, em santa ira, usou serpentes venenosas para trazer Seu povo á razão. Deus fez Moisés construir uma serpente de bronze e suspendê-la no alto de uma vara. Depois de ser mordido por cobras, o povo simplesmente “olhava para a cobra de bronze e ficava curado” (v.9). Se olhassem para si mesmos, seus vizinhos – ou até mesmo Moisés – morreriam. Mas se o povo apenas levantasse os olhos para o presente de seu Deus, ganhariam vida.

Olhar para o interior é atraente. Faz-nos sentir como se estivéssemos no controle. Esse caminho sedutor sabota nossa humilde postura de nos apresentarmos – humilhados e necessitados de misericórdia – ao nosso Redentor. Jesus veio porque estamos falidos, não porque estamos nos virando bem sozinhos. 

 

 

 

 

 

QUINTA: 4 Semana> Quente Demais

É difícil imaginar que alguém pudesse decidir detonar seu apartamento até os cacos. Entretanto, isso aconteceu em Lisboa, Portugal, pois um homem fez exatamente isso – arruinou parte de um edifício de cinco andares onde vivia. O Maluco incendiário tinha sido recentemente despejado, e de acordo com um bombeiro que atendeu ao incêndio que seguiu, “Ele ameaçara os vizinhos de que explodiria o lugar caso fosse despejado”.

Não se deve brincar nem com vingança nem com fogo – é quente demais para manejarmos – Por esse motivo, Deus nos diz: “... Eu me vingarei, eu acertarei contas com eles, diz o senhor”. (Romanos 12:19).

Quando sentimos o desejo de retaliar, apresentamos o mal que nos foi feito como desculpa para ferir outras pessoas. Sansão fez isso quando seu sogro filisteu entregou sua mulher a outro homem. Enfurecido, declarou; “... Desta vez eu não sou responsável pelo que fizer com os filisteus” (Juízes 15:3).

Sansão teve um pequeno ataque de piromania. Ajuntou 300 raposas, amarrou suas caudas de duas em duas, atou uma tocha a cada par de carnívoras e os soltou nos campos de cereais dos filisteus. 

Infelizmente, a vingança produz mais vingança. Em retaliação, os filisteus “... queimaram viva a mulher de Sansão e a família dela” (v.6).

Quando Sansão descobriu isso, afirmou, ““... eu juro que não descansarei até que [os filisteus] paguem por isso! “(v.7)”. Ele os atacou mais uma vez, antes de torna-se um solteirão cujo endereço era uma caverna.

Quando tentamos acertar as contas, frequentemente nos ferimos, e ferimos também quem amamos, com as pessoas que queremos atingir. Por essa razão os cristãos nunca devem pagar a ninguém “... o mal com o mal” (Romanos 12; 17). É muito perigoso. Em vez disso, devemos deixar as brasas quentes da vingança nas mãos do nosso justo Deus. 

 

 

 

 

 

SEXTA: 4 SEMANA> CRISTÃOS SUBVERSIVOS

Os antigos romanos eram pessoas muito boas. É certo que suas responsabilidades exigiam certa demonstração de poder, mas dado o grande território que o governavam, era de sei interesse manter todos felizes.

Uma maneira de fazer isso era honrar os deuses de cada um deles em seu reino. Roma construiu o Panteão, que significa literalmente “todos os deuses”, de maneira que todos os grupos sentiriam que seu deus era respeitado.

Todos se sentiam bem com esse arranjo, exceto os judeus, a quem os romanos mantinham na Palestina, e os cristãos, que se estenderam para além das fronteiras de Israel e se tornaram internacionais. Os cristãos insistiram que somente eles adoravam o único verdadeiro Deus.

Coloque-se nas sandálias do imperador. O que você faz com pessoas assim? Você as persegue. Você não que fazer isso, e pensar, “Por que eles simplesmente não se ajustam?” Mas você também sabe que, se deixar a mensagem divisora dos cristãos continuarem, não demoraria muito até o frágil tecido de seu império multicultural ser destruído. Então, por amor ao seu reino, os cristãos devem ir.

Os cristãos de hoje têm a mesma mensagem: “Jesus é Senhor” Estamos vivendo, também, na mesma espécie de mundo multicultural e variado. Recebemos muitos benefícios de nossa aldeia global que cada dia torna-se menor. Gostamos de encontrar pessoas diferentes aprender seus costumes, e comer sua comida.

Mas o que não nos permite dizer – e que perigosamente parece causar divisão em nosso mundo pluralístico – é que Jesus é o único caminho para Deus (João 14:6; Atos 4:12). Os cristãos do primeiro século não desistiam deste direito, mas humilde e agressivamente anunciavam que Jesus, não Cesar, é o único Senhor do mundo. Agora é a nossa vez.

 

 

 

 

 

SÁBADO: 4 SEMANA> JESUS ARMA UM TUMULTO

O som pesado dos cascos batendo ecoam na praça. Espirais de poeira sobem pelo ar. Ovelhas balem, pombas ruflam as asas, e comerciantes falam em voz alta. Ele ordena: “Parem de fazer da casa do meu Pai um mercado!” O príncipe da Paz está armando um tumulto.

Ele brande as cordas e vira as mesas (Mateus 21:12); a multidão se divide como o Mar Vermelho. As mães agarram suas crianças em choro. Uma gaiola vira e as pombas saem voando – uma oferta enviada ao céu por um Salvador empunhado um chicote.

Ás vezes entendemos Jesus mal. Pensamos em um Salvador sereno e doce “um Menino que acorda”, um meigo e manso nazareno “e que Ele não chora”, e nos esquecemos de que alguns no tempo de Jesus pensavam ser Ele João Batista ou Elias ressuscitado (Marcos 8:28). Não pensavam que o Filho de Deus fosse algum manso guru de amor, paz e harmonia. Ele era comparado a um profeta selvagem, trovejante, comedor de gafanhotos.

Com certeza, Jesus era um mestre de amor. A limpeza que fez no Templo não foi nenhum protesto contra o comércio. Os cambistas haviam se estabelecidos no Átrio Exterior do Templo – o único lugar onde as mulheres e os gentios tementes a Deus podiam adorar. Esse ato desrespeitava tanto a Deus como o adorador. A reação de Jesus foi uma ardente demonstração de amor por ambos. E Jesus era certamente um profeta de paz – ensinando a dar a face e a amar os inimigos. Mas isso não contradizia Sua feroz confrontação do erro. Como Dorothy Soays disse: “Seja qual for a sua paz, não era paz que demostrava aceitação cordial”.

Jesus então seria portador de uma personalidade poderosa, indignada e apaixonada – a única espécie digna de nossa total lealdade e confiança. Pois que Salvador faria de conta que não vê a ganância e a injustiça? E que Deus poderia ser adorado se tivesse mostrado “indiferença cordial” aos injustiçados?

 

 

 

 

 

DOMINGO: 4 SEMANA> MUITO AMADO

“O verdadeiro amigo não duvida, mas espera.”

Apesar de vários filmes baseados em livros deixarem muito a desejar, a produção de Emma, de Douglas McGrath, em 1996 retrata vividamente os adoráveis personagens de Jane Austen, Emma e seu amado s.r. Knightly. A força do relacionamento, entretanto, vem dos escritos de Austen ao revelar os desejos de cada coração – de não apenas ser amado, mas ser verdadeiramente amado. Sendo um homem de convicções, o s.r. Knightly assegura a Emma que sua severa crítica ao comportamento inaceitável dela não significa rejeição, mas a convicção de que existem coisas melhores em seu interior.

O crescimento espiritual não acontece sem um confronto com a verdade. Em João 14:6, Jesus disse “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim.” Muito mais do que informação verdadeira, a verdade divina é inseparável de amor de Deus. Exigiu o sacrifício da cruz, e tomou o amor possível.

Jesus nos ama o suficiente para falar diretamente conosco. E ele assim o faz para que nossos pés sejam firmados na rocha sólida de Sua Palavra. Em retribuição devemos estar dispostos a amar as outras pessoas em verdade.

A verdade não é fácil de ouvir, e as palavras duras ferem. No entanto o amor subsiste aos detalhes. ”O amigo que o nosso bem, mesmo quando nos fere; mas quando o inimigo abraçar você tome cuidado!” (Provérbios 27:6). O amor anseia pela retidão e trilha o difícil caminho de falar a verdade encontrada na Palavra de Deus. Cometemos grandes injustiças ao corpo de Cristo quando fingimos que o pecado não existe (Efésios 4:25).

A força de Deus torna-se atuante em nossas vidas quando praticamos o Seu chamado á verdade de duas maneiras. Devemos estar dispostos a anunciar (Provérbios 27:17) e receber (Salmo 141:5). O amor de Deus conduz-se em verdade. Menos que isso não é realmente amor.

 


 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!